Na produção de bovinos de corte, a Agro-Pecuária CFM foi pioneira na seleção massal da raça Nelore. No início da década de 80, a empresa implantou, com apoio de tecnologia neozelandesa, um sistema de escrituração zootécnica com identificação individual de seus animais e controle de desenvolvimento ponderal. Iniciavam-se os trabalhos de avaliação genética. Nos anos 90, lançou o Sumário de Touros Nelore CFM, hoje na 27ª versão. A partir de 1994, passou a utilizar metodologias de estimação de valores genéticos com modelos animais completos, sendo pioneira na aplicação dessa metodologia no Brasil. Atualmente, sua base de dados tem cerca de 500 mil animais com mensurações, naquela que se constitui a maior avaliação genética da raça Nelore de um único proprietário.

Todo o processo de seleção dos animais é realizado com base em medidas rigorosas, tomadas de animais criados em regime de pastagem e manejados em grupos de contemporâneos perfeitamente identificados e controlados. São mensuradas características ligadas ao desempenho ponderal, avaliações de conformação frigorífica, precocidade de acabamento e musculosidade. E desde 1994, um importante trabalho de seleção para características reprodutivas, como precocidade sexual e longevidade, vem sendo conduzido com excelentes resultados.

Todas as informações coletadas no campo são processadas pelo Grupo de Melhoramento Animal e Biotecnologia (GMAB) da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (USP). Os professores Joanir P. Eler e José Bento S. Ferraz, coordenadores do GMAB, são os responsáveis técnicos pela avaliação genética do rebanho CFM desde 1994, sendo deles a responsabilidade pela análise dos dados que resulta na avaliação de cada touro produzido pela CFM.

A maior prova da seriedade dos trabalhos desenvolvidos pela empresa é o reconhecimento de seus clientes e da comunidade científica, que tem dado validade ao trabalho de seleção de animais da raça Nelore em todo país. Atualmente, o programa CFM de melhoramento genético da raça Nelore conta com cerca de 12 mil matrizes em produção, em 3 diferentes fazendas, produzindo cerca de 1.500 touros geneticamente avaliados e com CEIP por ano.

Uma das preocupações da empresa é o controle da endogamia, conhecida popularmente como consanguinidade. O grande volume de matrizes envolvidas no projeto é fator importantíssimo para seu controle. Os níveis de endogamia são constantemente aferidos e têm-se um estudo detalhado dos pedigrees para realização dos acasalamentos. Desde 2001, o processo de acasalamento é realizado com auxílio de programas de computador, que também otimizam o resultado do índice CFM e suas respectivas DEPs, junto com o controle da endogamia.

Em 1994, a Agro-Pecuária CFM começou a estudar características reprodutivas e os efeitos genéticos sobre elas. A abordagem inovadora do assunto, estimulada pelo Dr. Bruce L. Golden, então na Colorado State University, resultou em características como Stayability, ou habilidade de permanência no rebanho, e probabilidade de prenhez de novilhas quando expostas aos touros por volta dos 14 meses de idade, a chamada PP14. O impacto dos trabalhos na área reprodutiva foi enorme e, hoje, o rebanho Nelore da CFM conta com expressiva porcentagem de animais, filhos e netos de novilhas que emprenharam ao redor dos 14 meses de idade, ou seja, animais que têm genética para precocidade sexual. Além disso, mais de 30% das matrizes da CFM permanecem 6 ou mais anos no rebanho, produzindo um bezerro por ano. Precocidade e longevidade são o caminho mais curto para a rentabilidade da cria, daí a importância dessas avaliações.

O rigor na coleta dos dados no campo, a correta classificação dos animais em grupos de contemporâneos e sua representatividade dos efeitos de ambiente, o alto número de animais avaliados e a exatidão dos procedimentos utilizados na montagem dos bancos de dados, quer no que tange aos registros de produção, quer nos registros de pedigree, aliados à qualidade das metodologias aplicadas na estimação dos valores genéticos dos animais, expressos em DEPs – Diferenças Esperadas de Progênie – garantem a oferta ao mercado de animais de alta qualidade genética.

Em sintonia com a visão empresarial da Agro-Pecuária CFM, todo o programa de melhoramento Nelore CFM é pautado por características de real valor econômico para a produção de carne a pasto, a partir da avaliação das seguintes características e suas respectivas DEPs:

 

Peso ao nascer (kg) – DEP calculada com base no peso real ao nascimento. Esse peso vem sendo monitorado de modo a evitar um aumento significativo, o que poderia vir a causar problemas de parto. O peso ao nascer é o melhor indicador da facilidade de parto. Touros com DEPs baixas ou mesmo negativas são desejáveis para essa característica.

Peso na desmama (kg) – DEP calculada com base no peso obtido ao redor de 205 dias de idade (próximo à desmama). A DEP para esse peso reflete o potencial de ganho de peso do animal, independentemente da produção de leite de sua mãe, ou seja, a ação direta dos genes do próprio animal. Esse peso é muito importante para os produtores de bezerros. Touros com DEPs elevadas e positivas são os mais indicados.

Materno total (kg) – A DEP para essa característica é obtida pela soma da metade da DEP para Peso na Desmama (efeitos diretos) com a DEP para habilidade materna (diferença esperada para produção de leite e proteção do bezerro). A DEP para Materno Total expressa o potencial total de desmama que um animal pode transmitir, incluindo os efeitos diretos dos genes sobre o crescimento e que irão influenciar a produção das filhas do reprodutor.

Ganho de peso da desmama ao sobreano (kg) – A DEP para essa característica expressa o potencial de ganho de peso no período compreendido entre a desmama e os 18 meses de idade e, portanto, refere-se ao ganho de peso pós-desmama. Essa característica demonstra o desempenho potencial em pasto. DEPs mais elevadas são as mais indicadas.

Conformação, precocidade e musculosidade (un) – As DEPs para essas características são baseadas nos escores de avaliação visual. A avaliação visual é realizada por pessoal treinado e segue procedimento padrão estabelecido pela CFM, com notas que variam de 1 a 6. O objetivo da seleção para essas características é a obtenção de animais adequados à competitiva indústria da carne bovina. Assim, DEPs mais elevadas são as mais indicadas, sempre levando-se em conta um perfeito balanceamento do animal.

Altura (cm) – As DEPs são baseadas em medidas tomadas na garupa dos animais a uma idade em torno dos 18 meses, com a preocupação em formar um plantel de estatura média, evitando-se vacas muito grandes. As DEPs positivas são desejadas, mas nesse caso, as DEPs muito elevadas poderiam levar a um aumento excessivo do tamanho dos animais. A altura na garupa apresenta-se também correlacionada com a estrutura anatômica do animal para suportar a musculatura.

Perímetro escrotal (cm) – As DEPs são calculadas com base em medidas do perímetro escrotal, obtidas ao redor dos 18 meses de idade. Pesquisas científicas têm demonstrado que o perímetro escrotal é favoravelmente correlacionado com a idade na puberdade, qualidade e quantidade de sêmen, desenvolvimento ponderal e precocidade sexual das filhas e irmãs dos touros. A utilização das DEPs para perímetro escrotal, como critério de seleção em bovinos de corte, tem sido prática comum em todo o mundo. As DEPs mais elevadas são as melhores. A seleção para perímetro escrotal, no entanto, não é uma substituição para a seleção direta sobre o desempenho reprodutivo da fêmea.

Probabilidade de prenhez de novilhas (PP14, %) – As DEPs são calculadas por metodologia especial, com base nas informações de prenhez das novilhas expostas ao touro, ao redor dos 14 meses (12 a 16) de idade, em uma estação de monta de 120 dias. As novilhas que, no final da estação, apresentem diagnóstico de prenhez positivo recebem o valor 1 (um), e as vazias recebem o valor 0 (zero). As DEPs são expressas em porcentagem, indicando a probabilidade (a mais ou a menos) de determinado touro produzir filhas precoces.

Stayability, capacidade de permanência no rebanho (%) – A metodologia de cálculo das DEPs é a mesma utilizada para a PP14. A característica, no entanto, é definida como a capacidade que a vaca tem de permanecer no rebanho, produtiva, por seis anos ou mais. Desde que a vaca foi selecionada para integrar o rebanho, ela recebe o valor 1 (um) se apresentar um parto por ano até os seis anos ou mais; e recebe o valor 0 (zero) se tiver sido descartada antes dos seis anos. A característica tem validade se a política adotada no rebanho ou população for de descartar as vacas que não ficaram prenhes ao final de cada estação de monta. Com essa política, se a vaca pare aos seis anos ou após essa idade, é porque ela vinha parindo regularmente no rebanho desde a sua entrada em reprodução. As DEPs são também expressas em porcentagem e indicam a probabilidade (a mais ou a menos) que um touro apresenta para produzir filhas que permaneçam produtivas no rebanho por seis anos ou mais.

Produtividade anual média da vaca (PRODAM, kg) – A DEP é baseada nos pesos à desmama dos bezerros da cada vaca e expressa a quantidade média, em quilogramas de bezerro, que a vaca desmama anualmente, a partir da entrada em reprodução. Os pesos dos bezerros são ajustados para eliminar os efeitos dos fatores não genéticos e a influência do touro, pai do bezerro, de modo que a DEP de PRODAM reflita apenas o efeito da vaca.

A Tabela 1 apresenta a descrição resumida do banco de dados da avaliação genética da raça Nelore de 2016, com base na safra 2014.

Tabela 1. Número de observações e média por característica no rebanho CFM.
Toda a população Safra 2014
Característica Nº de observações Média Nº de observações Média
Peso ao nascer 265.163 31,7 9.575 34,0
Peso à desmama 498.647 196,1 9.459 208,7
Peso ao sobreano 198.130 300,6 8.614 300,0
Ganho de peso GPSOB 196.660 109,7 8.578 98,4
Perímetro escrotal 91.449 27,8 4.407 28,5
Musculatura 184.242 3,7 7.875 4,1
Altura 164.382 137,1 8.198 139,3

É importante ressaltar o expressivo número de observações utilizado para a estimação das DEPs, centenas de milhares. Esses números garantem estimativas mais acuradas dos valores genéticos dos reprodutores da CFM. Como a regulamentação do CEIP limita a um máximo de 30% dos animais geneticamente superiores que podem receber esse certificado, e esse critério, no caso da CFM é o índice CFM, pode-se garantir que os touros com CEIP de origem CFM são touros situados entre os 30% melhores quanto a esse critério de seleção, aprovados em exames andrológicos e, portanto, aptos a melhorar os rebanhos em que serão utilizados.

O programa de melhoramento genético Nelore CFM é um dos maiores e o mais antigo programa privado de melhoramento genético dessa raça. Seu sucesso se deve a uma conjunção de fatores, mas, principalmente, ao fato do mesmo ter sido desenvolvido para selecionar reprodutores adequados aos sistemas de produção mais comuns no país. O sucesso e o reconhecimento do programa CFM no mercado pecuário são a prova mais eloquente da adequação de seus critérios de seleção.